pagina inicial Petrobras
Tartarugas Marinhas
Visite o Tamar
O que fazemos
Onde estamos
Mais informações

População de tartarugas-de-couro do Brasil mostra sinais de recuperação

02/07/2019 - A população brasileira de tartarugas-de-couro (Dermochelys coriacea) começa a mostrar sinais de recuperação, depois de 30 anos do início dos esforços de conservação, mostra pesquisa publicada recentemente. ↓

Cientistas estudaram as áreas de desova da espécie no litoral norte do estado do Espírito Santo – o único sítio de desova regular da espécie conhecido no Oceano Atlântico Sudoeste.

Os dados desta pequena população de tartarugas-de-couro mostram que entre 1988 e 2017, o número médio de ninhos por ano aumentou de 25.6 nos primeiros cinco anos do estudo para 89.9 nos cinco anos mais recentes.

Os pesquisadores, da Universidade de Exeter, no Reino Unido e do TAMAR, acreditam que os esforços de conservação locais, como a proteção das fêmeas e monitoramento dos ninhos, contribuíram para este aumento no tamanho populacional da espécie.
No entanto, eles ressaltam que esta população ainda é considerada altamente ameaçada, devido às mudanças climáticas, poluição marinha, desenvolvimento costeiro e captura incidental em pescarias.

“O número de ninhos varia bastante entre os anos, o que é normal para as tartarugas marinhas, mas em geral nós detectamos um aumento no número de ninhos de tartaruga-de-couro no Espírito Santo”, diz Dr Liliana Poggio Colman, pesquisadora do Centre for Ecology and Conservation da University of Exeter, no Reino Unido.



“Esta sutil recuperação da espécie é provavelmente em parte resultado dos esforços de conservação locais que foram iniciados na década de 1980 pelo Projeto TAMAR na região”.
“Nosso estudo também revelou que houve um decréscimo significativo no tamanho médio das fêmeas que vem desovar nas praias do Espírito Santo ao longo dos anos, o que sugere que novas fêmeas estão fazendo parte da população reprodutivamente ativa de tartarugas”.

Dr Poggio Colman, que contou com uma bolsa de Doutorado do Programa Ciência Sem Fronteiras, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) no Brasil, ressalta que: “Os resultados são muito positivos, no entanto esta população tem uma distribuição geográfica restrita e é super pequena – menos de 20 fêmeas desovam nas praias do Espírito Santo por ano, cada uma depositando múltiplos ninhos por temporada – o que torna essa população ainda criticamente ameaçada, e fazendo a continuidade dos esforços de conservação e monitoramento das praias extremamente necessário.”

Ao longo do período analisado no estudo, os ninhos ficaram mais concentrados na parte sul do trecho de 160 km utilizada como área de desova pelas tartarugas, incluindo o trecho de 15 km dentro da Reserva Biológica de Comboios, e a proteção dessas áreas prioritárias é essencial para a conservação desta espécie.

O Professor Brendan Godley, que foi um dos orientadores da Dr Poggio Colman durante o seu Doutorado, ressaltou: “Foi um grande prazer ajudar a facilitar essa pesquisa em colaboração com o Brasil. Coincidentemente, a equipe estava em campo quando o vazamento de resíduos de minério da mineradora Samarco atingiu a área em 2015. A taxa média de sucesso de eclosão, no entanto, se manteve relativamente constante, em torno de 66%.”

O artigo foi publicado na revista Endangered Species Research, com o título: “Thirty years of leatherback turtle Dermochelys coriacea nesting in Espírito Santo, Brazil, 1988-2017: reproductive biology and conservation.”

Fonte:
http://www.exeter.ac.uk/news/research/title_723571_en.html 

DOI: 10.3354/esr0096

Tartaruga Tartaruga-oliva

Regência - ES

Centro de Visitantes

Mais informações - Visualizar informações anteriores

Petrobras